Guardas Municipais devem retornar às ruas somente em 2017

O ano é político, a burocracia é maior, a necessidade é evidente. O assunto é segurança e trânsito. O protagonista é, como sempre, o cidadão, que fica em meio aos principais assuntos públicos da cidade e do seu dia a dia. Aliás, o município em questão é o principal, de maior população e o mais rico da região: Tubarão, que deve ficar sem os trabalhos de seus 35 guardas municipais nas ruas neste ano.

No entanto, a corporação mantém o expediente de guarnição do patrimônio da prefeitura, como museu, algumas fundações e secretarias, além de ceder profissionais que atuam com procedimentos administrativos na Central de Plantão Policial (CPP) e na Delegacia de Trânsito e Crimes Ambientais. E, segundo o guarda municipal Maciel Brognoli, que está desde o primeiro concurso (2006) no cargo, todos trabalham sem uniformes e ninguém utiliza as viaturas. “Vamos até esses pontos com nossos carros, exclusivamente para realizar ações internas. Não saíamos às ruas porque estamos sem a possibilidade legal, neste momento, de portar arma de fogo”, explica.

O vice-presidente do Sindicato dos Guardas Municipais de Santa Catarina (Sindiguardas), Ronaldo da Rosa Damázio, lamenta a atual situação em que se encontra o grupo tubaronense. Ele indica o problema a uma grande burocracia evidente dentro da própria prefeitura, responsável pelo pagamento de um curso obrigatório para a retomada do uso da arma de fogo, que não pode, desde a última segunda-feira, mais ser realizado por instituições militares, conforme o parágrafo 3º do artigo 12º da Lei 13.022, o estatuto federal das guardas, que entrou em vigor nesta semana. “Com isso, ainda precisamos passar pelo curso, mas agora via instrução da Polícia Rodoviária Federal (PRF) - o que é extremamente burocrático, já que a solicitação precisa ser encaminhada a Brasília - ou da Polícia Civil, que já nos adiantou, por meio da Academia da Polícia Civil (Acadepol), que não poderá realizar o procedimento neste momento porque está em fase de preparação de novos agentes da própria entidade. Acho muito difícil de sair este curso antes das eleições e até mesmo neste ano”, lamenta Damázio. 

“Foi encaminhado ofício à PRF e à Acadepol para saber a disponibilidade de período e firmar convênio para ministrar o curso. Aguardamos resposta”, resume um comunicado da prefeitura.

Foto: Divulgação / Notisul

Fonte: Notisul

A Meu SUL surgiu em 2008 e, durante oito anos, circulou na região sul como revista. Em 2016, Meu SUL renasce como um portal de notícias cujo objetivo é levar até você informação com a credibilidade que já era encontrada nas páginas da revista. A WebTV Meu SUL também é uma novidade. Acompanhe-nos através de nossos canais e fique por dentro de tudo que acontece na região!

Av. Getulio Vargas, 504. Ap 101. Centro
CEP: 88.750-000 - Braço do Norte - SC

Telefone: +55 (48) 3658-0092

Email: falecom@meusul.com.br

Newsletter