Chuva de meteoros poderá ser vista na madrugada desta sexta-feira

Uma das chuvas de meteoros mais aguardadas do ano chega a sua frequência máxima de "estrelas cadentes" na madrugada desta sexta-feira, dia 12. A chuva de Perseídas ocorre sempre em agosto, quando a Terra cruza o rastro do cometa Swift-Tuttle e os detritos deixados neste caminho entram na atmosfera terrestre se incendiando e riscando o céu. Porém, em 2016, o evento deve ser ofuscado no hemisfério sul pela luminosidade de lua, que está em fase crescente, e pela posição desfavorável.

Embora não tão intensa, apaixonados por astronomia ou românticos corujas da madruga poderão observar a olho nu algumas "estrelas cadentes" com maior facilidade a partir das 3h desta sexta feira. Nesse horário, a constelação de Perseus, ponto do céu onde os meteoritos surgirão com maior intensidade para todas as direções, surgirá no horizonte a nordeste. A Lua também já terá se posto e o céu estará "mais escuro".

— A constelação de Perseu fica bem ao norte e estará no céu por muito mais tempo por lá. Aqui esse ponto parecerá apenas no fim da madrugada. Por pouco se verá desta chuva de meteoros no Sul — explica o Adolf Stotz Neto, professor de Astronomia do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina.

Principais chuvas de meteoros durante o ano

Quadrantídeas – 28 Dez a 07 Jan – maior intensidade em 3 de janeiro
Lirídeas – 16 Abr a 25 Abr – maior intensidade em  22 de abril
Eta-Aquarídeas – 21 Abr a 12 Mai – maior intensidade em  5 de maio
Delta-Aquarídeas Austrais – 14 Jul a 18 Ago – maior intensidade em  29 de julho
Perseídeas – 23 Jul a 22 Ago – maior intensidade em  12 de agosto
Leonídeas – 14 Nov a 20 Nov – maior intensidade em  17 de novembro
Geminídeas – 09 Dez a 19 Dez – maior intensidade em 14 de dezembro

Entenda a diferença entre cometa, asteroide e meteoros

Cometa
Os cometas são muito parecidos com asteroides, mas têm mais gelo, metano, amônia e outros compostos que desenvolvem uma nuvem atrás deles ao passarem mais perto do sol, conhecida como cauda. Suas órbitas geralmente são grandes e a maioria leva décadas ou séculos para cumprir toda sua rota.

Asteroide
São geralmente pedaços de rocha que vêm do cinturão de asteroides localizados entre as órbitas de Marte e Júpiter. Eles orbitam ao redor do sol e são grandes o bastante para causar um bom estrago se atingirem a Terra, mas essa probabilidade é muito pequena.

Meteoroides
Poucos falados dessa forma, são as partículas que se perderam de um outro corpo e ficaram no espaço. Esses pedaços de matéria interplanetária são menores do que um quilômetro e frequentemente têm apenas milímetros de tamanho.

Meteoro
Quando um meteoroide entra na atmosfera da Terra, passam a se chamar meteoros. A maioria deles são tão pequenos que se vaporizam e nunca alcançam a superfície do planeta e se transformam em “estrelas cadentes”.

Meteorito
Se algum meteoroide for grande o suficiente para chegar à Terra são chamados de meteoritos e geralmente têm o tamanho de pequenas pedras.

Foto: Divulgação

Fonte: Diário Catarinense

A Meu SUL surgiu em 2008 e, durante oito anos, circulou na região sul como revista. Em 2016, Meu SUL renasce como um portal de notícias cujo objetivo é levar até você informação com a credibilidade que já era encontrada nas páginas da revista. A WebTV Meu SUL também é uma novidade. Acompanhe-nos através de nossos canais e fique por dentro de tudo que acontece na região!

Av. Getulio Vargas, 504. Ap 101. Centro
CEP: 88.750-000 - Braço do Norte - SC

Telefone: +55 (48) 3658-0092

Email: falecom@meusul.com.br

Newsletter