Há 1 mês, mundo chorava e se unia pela Chapecoense

00h55 da madrugada do dia 29 de novembro de 2016. O avião CP-2933 da empresa venezuelana LaMia perde contato com a torre de comando próximo ao aeroporto de Rio Negro, na Colômbia. Dentro da aeronave estão 68 passageiros e 9 tripulantes com destino a Medellín, onde a Chapecoense enfrentaria o Atlético Nacional no primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. O jogo não aconteceu. O time não chegou ao destino final. A história ganhou um novo capítulo - e triste - a partir daquele momento.

A primeira informação era de que o avião havia feito um pouso forçado próximo ao aeroporto de Medellín. A esperança era de que não houvesse vítimas. Logo veio a notícia de que o avião havia caído em um local de difícil acesso, o que dificultava a aproximação das equipes de resgate. Outro agravante era o mau tempo na região e a baixa temperatura durante a madrugada. Dois helicópteros da força aérea do país sobrevoaram a área para auxiliar no trabalho. O cenário era devastador.

Devastador também era a espera por notícias no Brasil. Em Chapecó, os torcedores custavam a acreditar. Muitos se deslocaram para a Arena Condá em busca de informações. E a primeira já era trazia uma mistura de sentimentos, a tristeza e a esperança: ao menos 25 pessoas mortas e o lateral Alan Ruschel, o goleiro Danilo e uma comissária de bordo entre os sobreviventes.

Horas depois veio a confirmação de que apenas seis pessoas resistiram ao acidente: os jogadores Alan RuschelJackson Follmann e Neto, o jornalista Rafael Henzel, e os tripulantes Erwin Tumiri e Ximena Suarez. As buscas por sobreviventes também estavam encerradas.

O acidente teve 71 vítimas no total: 19 jogadores, 20 jornalistas, 14 integrantes da comissão técnica, nove dirigentes, dois convidados e sete tripulantes.

A lista de passageiros ainda mostrava o nome de quatro pessoas que não embarcaram com o time para a Colômbia: Luciano Buligon, prefeito de Chapecó, Plínio David de Nês Filho, presidente do Conselho Deliberativo da Chape (e atual presidente), Ivan Carlos Agnoletto, narrador da rádio Super Condá, e Gelson Merisio, presidente da Assembléia Legislativa de Santa Catarina.

O silêncio tomou conta de Chapecó. Na rua, em meio às tarefas diárias, os habitantes da cidade com pouco mais de 200 mil habitantes tinham o luto e a tristeza estampados em seus rostos. Uma troca de olhares entre as pessoas era suficiente para saber que o sentimento era recíproco. Não foi raro ver olhos marejados nos dias que se seguiram ao acidente.

Fonte: Sul In Foco

A Meu SUL surgiu em 2008 e, durante oito anos, circulou na região sul como revista. Em 2016, Meu SUL renasce como um portal de notícias cujo objetivo é levar até você informação com a credibilidade que já era encontrada nas páginas da revista. A WebTV Meu SUL também é uma novidade. Acompanhe-nos através de nossos canais e fique por dentro de tudo que acontece na região!

Av. Getulio Vargas, 504. Ap 101. Centro
CEP: 88.750-000 - Braço do Norte - SC

Telefone: +55 (48) 3658-0092

Email: [email protected]

Newsletter