Servidores públicos de Orleans em estado de greve

Os servidores públicos do Município de Orleans estão em estado de greve e anunciam possível paralisação. Uma proposta com 19 itens foi entregue à Administração Municipal em abril. Entre as reivindicações, está o reajuste salarial de 4,58%, referente ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Contudo, conforme o sindicato dos servidores, a defasagem decorrente das perdas inflacionárias ao longo dos anos beira os 50%. Sendo assim, os profissionais pedem o acréscimo de 5% a cada mês, a partir de maio, até chegar aos 50%. Em relação ao vale-alimentação, a proposta foi para que aumentasse de R$ 150,00 para R$ 200,00. Também foi solicitada bonificação de incentivo por assiduidade, com o valor de 30% do salário mínimo vigente pago aos colaboradores que não apresentaram atestado médico ou faltas injustificadas de maio de 2018 a abril de 2019, a ser pago neste mês de maio.

Na manhã desta quinta-feira, dia 9, representantes da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) participaram de reunião com o prefeito Jorge Koch, juntamente com o Sindicato dos Servidores de Orleans. O prefeito acatou o reajuste salarial conforme o INPC e também um aumento do vale-alimentação, que passará de R$ 150,00 para R$ 180,00. Além disso, anunciou que há possibilidade de aumentar o repasse deste auxílio até esta sexta-feira, quando um Projeto de Lei será encaminhado à Câmara de Vereadores.

"Nós já conversamos com representantes do sindicato em três oportunidades. Eles nos apresentaram o documento com os 19 itens. Eles pedem o repasse do INPC e o ganho real. Mas, como todos os outros Municípios, neste momento, não temos condições de dar ganho real. Sabemos que eles realizam um bom serviço, mas é um problema geral deste primeiro trimestre do país, que não teve aquecimento econômico algum. Precisamos equilibrar as contas como temos feito até agora. Portanto, vamos repassar o INPC no dia 30 de maio e o aumento do vale-alimentação, mas veremos se há possibilidade de aumentar ainda mais, já que não poderemos conceder o ganho real".

As demais reivindicações dizem respeito ao vale-transporte; alteração do benefício de promoção por tempo de serviço; pagamento do adicional de insalubridade sobre o vencimento do salário base do servidor; adicional por formação e qualificação para todos os servidores; abertura de concurso público; regulamentação banco de horas; horário de estudante e auxílio-escola; promoção de cursos de qualificação e formação continuada; adicional de transferência para prestar serviços em outra localidade; criação de cargos e contratação; abono à ausência de diretores e líderes sindicais para participação de atividades do sindicato; cessão de dois servidores efetivos para desenvolver atividades sindicais; incentivo adicional das agentes comunitárias de saúde e agentes de combate a endemias, criação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e aprovação do estatuto e planos de cargos e salários.

Conforme a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Orleans, Janes de Lorenzi, como as tratativas não ocorreram conforme o esperado, novas mobilizações estão previstas. "Vamos realizar uma assembleia na próxima terça-feira para definir os próximos encaminhamentos. Estamos em estado de greve e vamos fazer uma mobilização, mas é necessária a participação de todos. Afinal, o sindicato somos todos nós. Estaremos também na sessão ordinária da Câmara de Vereadores no próximo dia 20”, adiantou.

O assessor de mobilização da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), da qual o Sindicato dos Servidores de Orleans, Nicolau de Almeida Neto, afirma que os servidores públicos municipais, principalmente os que recebem um valor menor, sofrem com as perdas inflacionárias. "A gente sabe que a inflação é muito maior, principalmente nos baixos salários. O maior impacto é o do reajuste da alimentação, que foi muito maior que a inflação oficial. Tem também a questão da reestruturação do plano de carreira e do incentivo que vem do Governo Federal para as agentes de saúde, que recebem os menores salários, mas que são a base da saúde no Município. Viemos apoiar as reivindicações dos trabalhadores e vamos tentar sensibilizar o prefeito e lembrá-lo que os servidores também são do município e que o dinheiro repassado a eles vai ser gasto aqui na cidade", afirmou.

As demais reivindicações, de acordo com o prefeito, serão avaliadas pelos setores de Recursos Humanos e Assessoria Jurídica. “No ano passado, foi nomeada uma comissão dos servidores para fazerem uma avaliação do estatuto dos servidores e do plano de cargos e salários. Durante 12 meses eles se reuniram e estudaram isso. Há 30 dias, apresentaram a proposta deles para a Prefeitura que, em posse das reivindicações, irá definir junto ao seu grupo gestor, os procuradores e os responsáveis pelos Recursos Humanos para fazer uma avaliação para saber se o que eles pedem está dentro da contextualização dos órgãos públicos estaduais e nacionais. Eles pedem diversas melhorias nos seus direitos trabalhistas. Agora, a Administração Municipal vai avaliar com calma para saber para quais direitos existe a possibilidade de conceder”, informou.
 

Fonte: Portal Ligado no Sul

A Meu SUL surgiu em 2008 e, durante oito anos, circulou na região sul como revista. Em 2016, Meu SUL renasce como um portal de notícias cujo objetivo é levar até você informação com a credibilidade que já era encontrada nas páginas da revista. A WebTV Meu SUL também é uma novidade. Acompanhe-nos através de nossos canais e fique por dentro de tudo que acontece na região!

Av. Getulio Vargas, 504. Ap 101. Centro
CEP: 88.750-000 - Braço do Norte - SC

Telefone: +55 (48) 3658-0092

Email: [email protected]

Newsletter